domingo, 30 de setembro de 2012

Desconhecido Reflexo




Sendo
Venho hoje
Escrever o proibitivo
O amor vernáculo escondido
As desventuras de olhar-te
E não ter-te comigo

Sendo este que não sou
Procuro por mim
Embaixo da cama
Nas gavetas da cozinha
Entre os papéis da escrivaninha
No espelho
Desconhecido reflexo

Sendo quem não sou
Apenas sendo
Esse estranho dolorido
Eu fingido
Talvez eu seja
Quem tu reconheces
Deixando passar despercebido.

[Inventaram-me, mas eu não mais me cabia
Restara o vazio do que tinha sido
Somado à estranheza do que me tornei]

Angelo Augusto Paula do Nascimento
Postar um comentário
Related Posts with Thumbnails