quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

A esperança do amor que colore





Risque-me como poema qualquer
Que não foi recitado
Minhas feições são apenas grafite
 Mas se assim queres
Apaga-me
Eu estou rabiscado na vida, mesmo
 Sou teu desenho
Tua arte
Tua monotonia
 Sou teu quadro branco de afetos
Na esperança do amor que colore.

Angelo Augusto Paula do Nascimento

Postar um comentário
Related Posts with Thumbnails